Os próximos anos do motor a diesel são motivo de polêmica. Afinal, o que o futuro reserva a este combustível?

O futuro do diesel é assunto polêmico e divide opiniões pelo mundo. Enquanto há quem diga que ele está com os dias contados, também existe quem alegue que é questão de seguir moldando o combustível às normatizações.

O fato é que gradativamente as transformações energéticas têm moldado a forma como pessoas e bens se movimentam. Embora por aqui acreditemos que o diesel ainda perdure por muito tempo, sabe-se que ele com frequência continuará passando por aprimoramento, especialmente em prol do meio ambiente. Apenas quando não for mais possível se adaptar às exigências da natureza é que ele de fato deverá ser extinto.

Outro motivo pelo qual o assunto entra em evidência é que a tecnologia já possibilita que as máquinas que integram os veículos são comandadas por centrais computadorizadas. Essas máquinas praticamente autossuficientes vão demandar novos materiais, combustíveis e lubrificantes que não apenas agilizem os processos como também não emitam poluentes.

Motor oil pouring to car engine. Premium Photo

Seria possível extinguir o diesel?

Não há como prever, mas é possível que os motores de veículos de passeio movidos a diesel se extingam mais rapidamente. Pelo mundo, algumas marcas já anunciaram que retirarão este tipo de combustível de seus veículos. No Brasil, eles já nem existem desde 1976, após a crise do petróleo. Apenas caminhões, ônibus, picapes com carga útil superior a 1000kg e utilitários com tração 4×4 ainda podem fazer uso do diesel em nosso país.

No lugar, é muito provável que sejam introduzidas motorizações de combustão, caso dos híbridos, bem como opções de elétricos. Há quem diga, aliás, que é preciso se preparar para uma grande onda de carros elétricos no planeta. Na mesma linha, a gama de propostas micro híbridas e semi-híbridas deverá crescer exponencialmente.

Entretanto, a sociedade esbarra em outro problema: a relação custo-benefício dos carros elétricos ainda não é agradável ao bolso dos consumidores. Além disso, seriam necessárias severas mudanças no âmbito do carregamento dos carros. Os motoristas poderiam carregá-los em casa, mas e quanto aos pontos alternativos? As cidades estariam adaptariam a esta nova realidade? E mais: quanto tempo levaria para tal? É uma verdade afirmar que hoje não se vislumbra no Brasil uma transição em massa que substituiria a gasolina ou o diesel para as alternativas elétricas.

Embora ainda se trate apenas de suposições, sabe-se que Reino Unido e França pretendem proibir a venda de veículos movidos a combustíveis fósseis a partir de 2040. Por outro lado, a Índia vislumbra 2030. E já para a Noruega, 2025.

No Brasil, tudo indica que as adaptações nas legislações acontecerão de forma mais gradual. Dependendo das transformações que estão por vir, possivelmente ainda sejam permitidos, por um bom tempo, e sem muitas restrições, os modelos movidos biocombustíveis, como o etanol. Resta aguardar para ver o que o futuro nos reserva!

De diesel a Centenário entende!

Se tem um assunto o qual dominamos integralmente é óleo diesel. Somos um TRR certificado, no mercado há 18 anos. Além do diesel (BS-500; BS-500 aditivados; S-10; S-10 aditivados e marítimo), também comercializamos o Arla 32. Vamos conversar? Você pede, a gente abastece.