Corta daqui, revê dali.

Os custos de uma viagem de caminhão são onerosos.

Saber como economizar é primordial, principalmente em tempos de crise.

Com a retomada gradual da economia pós pandemia, caminhoneiros e frotistas precisam minimizar os prejuízos.

Mas é preciso pensar nos clientes, que não terão fôlego para aguentar uma subida drástica nos valores dos serviços.

Este equilíbrio só é possível quando os custos de uma viagem de caminhão são precisamente calculados.

É fundamental conhecer efetivamente as despesas operacionais.

Para ajudar a calcular o que influencia nos custos das viagens, compilamos os principais gastos nas estradas (incluindo pequenos detalhes) e ótimos conselhos para minimizá-los. Confira!

Fatores de influência

Inegavelmente, combustível, alimentação, pernoites e pedágios comprometem boa parte do faturamento.

Por isso, o ideal é ter uma planilha de análise de custos do frete.

Este método faz com que sejam visualizados melhor o controle de gastos.

Custos fixos

Estes são os gastos inerentes à profissão de caminhoneiro.

Eles ficam inalterados, independentemente de haver serviço.

Entre os mais comuns estão a depreciação do veículo, os impostos e o seguro:

  • Depreciação: é a perda do valor de venda sofrida pelo caminhão conforme uso e tempo de vida. A tabela FIPE determina as depreciações no Brasil.
  • Impostos: o IPVA, a taxa de licenciamento anual e o DPVAT oneram de uma forma pesada.
  • Seguro: custo essencial, pois estradas nem sempre apresentam boas condições, para além do fato de que os índices de furtos e roubos serem elevados.

Custos variáveis 

Eles podem mudar a cada viagem.

São proporcionais à quilometragem rodada e oscilam conforme os preços praticados nos trechos percorridos.

Combustível, pedágios, pneus (que têm vida útil), manutenção periódica do veículo e seguro da carga integram a lista. 

Da mesma forma, ainda é preciso prever os custos com o caminhoneiro, sua alimentação, hospedagem, o cafezinho da tarde, as garrafas de água, a lavanderia, gastos com internet e celular e às vezes até o valor pago para usar os banheiros pelas estradas.

Conhecer efetivamente todos os gastos, mesmo com estes pormenores, é fundamental. 

Vamos ao que interessa: como economizar e aumentar o lucro?

A economia na estrada contribui para a lucratividade sem que seja preciso aumentar o valor do frete para o cliente.

Existem algumas dicas que talvez você não esteja pondo em prática no seu negócio:

  • Planeje bem a rota: considere o estado da rodovia, pesquise os estabelecimentos ao longo dos trechos, conte com a experiência de outros caminhoneiros e trace uma rota mais vantajosa, considerando tempo, preço dos pedágios e segurança.
  • Faça com que o caminhoneiro dirija de forma defensiva: para isso, existem várias saídas que ajudam na economia:
  • Manter a rotação na faixa indicada
  • Não exceder o limite de carga
  • Respeitar a velocidade exigida nas estradas
  • Estar atento à sinalização e regras de trânsito
  • Calibrar os pneus proporcionalmente ao peso da carga
  • Quando possível, optar por peças originais nas manutenções
  • Mantenha a manutenção dos veículos em dia: sempre que possível, junto à concessionária do caminhão. Uma peça danificada pode afetar outras e causar ainda mais prejuízos.

E por último: eleja sempre o melhor custo-benefício. Para isso uma dica valiosa: orce seu diesel com a Centenário.

No mercado desde 1982, somos um TRR certificado.

Comercializamos e fazemos a logística de diesel (BS-500; BS-500 aditivados; S-10; S-10 aditivados e marítimo) e Arla 32.

Vamos conversar?

Você pede, a gente abastece.